Quatro ilusões sobre dinheiro que contamos a nós mesmos

A melhor maneira de acabar com essas ilusões é investir em educação financeira.


Quem nunca pensou na frase "eu mereço" ou "está em promoção", na hora de fazer compras ou justificar um gasto? Principalmente, quando agimos por impulso, acabamos nos iludindo para justificar hábitos de consumo e reduzir sentimentos de culpa ou ansiedade. Embora essas inverdades possam nos fazer sentir melhor a curto prazo, elas podem causar danos financeiros a longo prazo. A Mozper, fintech que ajuda pais, mães e responsáveis a educar crianças e adolescentes para tomar decisões financeiras inteligentes e responsáveis, aponta as ilusões mais ditas sobre dinheiro:

"Eu mereço" - Essa é a frase mais falada por quem gasta sem pensar. Muitas vezes, queremos tanto algo que nos convencemos de que merecemos, mesmo quando, realmente, não podemos pagar. Se, simplesmente, pensássemos em como a compra poderia afetar nossa capacidade de pagar por coisas realmente necessárias, deixaríamos de consumir desnecessariamente.

"Está em promoção" - Não é porque está barato ou em promoção que vale a pena ser comprado. Frequentemente, temos o hábito de fazer pequenas compras sem nos preocupar com a totalidade dos gastos. Contudo, não adianta pagar pouco e comprar desenfreadamente e sem planejamento. No final das contas, o barato sai caro e a soma das despesas fica insustentável.

"Estou triste, preciso fazer compras" - O hábito de consumir para aliviar a tristeza pode ser bem problemático, já que começamos a nos condicionar a gastar para lidar com frustrações. O problema é que a felicidade atingida com o consumo é momentânea e pequena. Além de não ser um hábito saudável, essa prática pode causar desequilíbrio às finanças pessoais.

"Depois eu começo a economizar" - Essa ilusão é uma desculpa para a procrastinação. É o equivalente ao famoso começo na segunda-feira. Usamos essa frase para justificar um gasto que não cabe no orçamento, e que, às vezes, até nos deixa sem fundos para uma emergência. Não adianta nada exagerar nos gastos em um mês e prometer a si mesmo que irá fazer diferente depois. É muito provável que o erro continue se repetindo.

A solução: educação financeira - A melhor maneira de acabar com essas ilusões é investir, desde criança, em educação financeira. Segundo uma pesquisa realizada, em janeiro de 2022, pela Mozper, 43% dos pais de crianças e adolescentes de 10 a 17 anos no Brasil não tiveram educação financeira na infância. Entretanto, atualmente, 90% deles declaram conversar sobre o assunto com os filhos.



Matéria: Fala Criativa
Imagem: Diller (via Freepik)


Nenhum comentário

As matérias apresentadas abaixo são fornecidas por DINO - Divulgador de Notícias.