Icann defende estímulo ao comércio de domínios nacionais na internet

(Agência Brasil)


Brasília - O número de empresas nacionais com domínios na internet é baixo e isso poderá resultar em dificuldades para a expansão do comércio eletrônico no país. O problema é que no Brasil o incentivo à comercialização de domínios é baixo, informou a Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (Icann), autoridade responsável pela coordenação global da internet.

"O Brasil tem 3,2 milhões de domínios para 190 milhões de habitantes, enquanto a Argentina tem 2,7 milhões de domínios para 40 milhões de habitantes. Alguma coisa está errada. Tem um mercado que não está sendo explorado", disse à Agência Brasil a representante do Icann no workshop Comércio Eletrônico Transfronteiras, Vanda Scartezini.

A venda dos domínios brasileiros é feita pela Registro BR, uma organização não governamental (ONG) de gestão mista, que tem em seu comitê gestor representantes do governo e da sociedade civil. Segundo Vanda, o baixo número de registros de domínio brasileiro - sites que terminam com ".br" - deve-se a falta de incentivo à revenda desses endereços no país.

"Não há uma rede de revenda de domínio que possibilite alguma margem de lucro, a exemplo do que outros donos dos principais domínios fazem. O resultado é que ninguém vende nem se sente estimulado a vender porque consegue o mesmo, pelo mesmo preço, na Registro BR", disse a integrante do grupo do Icann, que cuida da estratégia para a América Latina e Caribe.

"Há mais de 6 milhões de pequenas empresas no Brasil e só 3 milhões de nomes de domínio debaixo do '.br'. Mais de 3 milhões delas não têm domínio. Ou seja, não têm vitrine para participar do comércio eletrônico", acrescentou Vanda.

Ela lembra que, apesar de apenas a metade dos usuários de internet no Brasil utilizarem o comércio eletrônico, este é um mercado promissor, principalmente devido ao chamado bônus demográfico brasileiro, período em que o país alcançará a maior proporção de pessoas em idade ativa, entre 15 e 64 anos, em relação à população total.

"Esse bônus demográfico previsto para o Brasil é muito positivo porque terá uma população [majoritária] economicamente ativa até 2025, que poderá usar a internet para fazer suas compras", completou Vanda.

Nenhum comentário