Varejo paulista deve encerrar o ano com aumento de 4% nas vendas

Economia







Varejo paulista deve encerrar o ano com aumento de 4% nas vendas

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-12-11/varejo-paulista-deve-encerrar-ano-com-aumento-de-4-nas-vendas

Dec 11th 2013, 16:22



Flávia Albuquerque



Repórter da Agência Brasil

São Paulo – O varejo no estado de São Paulo deve encerrar o ano com aumento de 4% nas vendas na comparação com 2012. O valor total da receita deve chegar a R$ 502,1 bilhões, sendo que R$ 50,9 bilhões são referente a dezembro. Os dados foram divulgados hoje (11) pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), na capital paulista. De acordo com a entidade, a estimativa de 4% reflete a baixa base de comparação, já que o varejo paulista cresceu 0,4% em 2012. O setor de eletrodomésticos e eletrônicos deve ter alta de 45,1% na receita. Já as lojas de departamentos devem registrar queda de 15,5% no ano.

Na cidade de São Paulo, as vendas no comércio devem fechar 2013 com crescimento de 2,4%, e o faturamento deve subir 3%, chegando a R$ 115 bilhões. O montante estimado para dezembro é R$ 15,8 bilhões. O destaque vai para as lojas de eletrodomésticos e eletrônicos, com expansão de 27,2% no faturamento comparado a 2012. Em seguida, aparecem as concessionárias de veículos, com 9,6%.

A confiança do consumidor ficou 8,2% abaixo do registrado no ano passado, influência da alta dos preços, principalmente dos alimentos, que tem impacto sobre as vendas. Além disso, contribuiu para diminuir a confiança do consumidor o baixo índice de crescimento da economia. O endividamento das famílias cresceu 8%, acima do percentual verificado no ano passado (2,8%). O crédito cresceu, 2,3% em 2013, bem abaixo do registrado em 2012 (6,9%).

O diretor executivo da FecomercioSP, Antonio Carlos Borges, avaliou que o crescimento estimado de 4% é um bom índice, mas há preocupação com a continuidade dessa expansão. "No próximo ano, existem fatores que ajudam no desempenho. Já tivemos inflação mais baixa que nos permitiu aumento da renda real, um nível de emprego no qual não havia nada que ameaçasse isso. Teremos também o fim das obras da Copa do Mundo e temos que levar isso em consideração."

Segundo Borges, a situação será diferente em 2015. "Em 2015 a situação será mais complicada, porque em 2014, que é um ano eleitoral, não serão feitas as reformas que são necessárias nem vai se tentar controlar os ajustes. Mas em 2015 isso deverá ser feito de forma mais contundente do que em 2014."





Edição: Juliana Andrade

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir o material é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil











You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com



If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:

https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Nenhum comentário

As matérias apresentadas abaixo são fornecidas por DINO - Divulgador de Notícias.