Super Feirão Zero Dívida resulta em mais de R$ 25,3 milhões em dívidas encaminhadas para negociação

Mais de 16 mil consumidores foram atendidos no Rio Grande do Sul, em 10 dias de operação.


A CDL Porto Alegre divulga o balanço final do Super Feirão Zero Dívida, com os resultados dos 10 dias de operação, realizada em mais de 50 cidades no Estado, entre os dias 28 de outubro e 8 de novembro. No período, foram atendidos 16.710 consumidores (CPFs consultados), aferidos 35.726 registros de negativações (dívidas registradas), resultando em uma média de dois registros de dívidas por CPF consultado (duas dívidas por pessoa) e média de 1.671 atendimentos por dia. Ao todo, foram encaminhados para negociação mais de R$ 25,3 milhões (as negociações são feitas diretamente com as empresas credoras).

Em Porto Alegre, foram atendidas 5.831 pessoas, com 12.151 registros de negativações (dívidas registradas) e uma média de dois registros por CPF (duas dívidas por pessoa). A média de atendimentos por dia na Capital foi de 583 consumidores. Foram encaminhados para negociação mais de R$ 5,2 milhões (as negociações são feitas diretamente com as empresas credoras).

Para o presidente da CDL POA, Alcides Debus, a Entidade cumpre o seu papel de propiciar um ambiente para retomada de crédito no Estado. “Oferecemos oportunidades para que empresas recuperassem ativos financeiros e consumidores pudessem retomar seu poder de compra, além de quitar débitos. Somamos mais de R$ 25,3 milhões em dívidas encaminhadas para negociação, em 10 dias de operação. Foi um grande sucesso”, detalha o dirigente.


Estrutura do evento

O Super Feirão Zero Dívida reuniu as principais empresas do comércio, bancos, instituições de ensino e financeiras em uma mobilização que oportunizou aos consumidores quitarem suas dívidas e começarem um ano novo com as contas em dia.
Na Capital, uma estrutura de 75m² foi montada no Largo Glênio Peres, onde o público pôde fazer consultas de CPF no banco de dados SCPC e ter acesso aos seus débitos, assim como às lojas e empresas credoras. O atendimento no local também possibilitou condições especiais para negociação de dívidas e vantagens para quitá-las.
Neste ano, a operação foi expandida para o interior do Estado, diante do aumento significativo da inadimplência e da novação de dívidas nas cidades de pequeno e médio portes. Nos mais de 50 municípios participantes, o evento foi realizado na sede local da entidade representativa do comércio, parceira da CDL POA.


Inadimplência no RS e na Capital

No Estado, a taxa de inadimplência já chega a 30,3%, o que equivale a aproximadamente 2,66 milhões de pessoas. Em comparação com os demais estados da Região Sul do país, o Rio Grande do Sul desponta com o maior percentual -- Santa Catarina tem 26,9% de taxa de inadimplência e Paraná, 28,5%. Para Porto Alegre, os consumidores inadimplentes somam 30,1% da população -- cerca de 353 mil pessoas.
A data do evento propiciou ao consumidor aproveitar os saques antecipados do FGTS para pagar suas dívidas, além de possibilitar que planeje com mais tranquilidade o uso da primeira parcela do 13º salário e os tradicionais gastos de final de ano.


Perfil do gaúcho que quer sair da inadimplência

A partir de análise do público participante do Super Feirão Zero Dívida, em todas as regiões do Estado, a CDL Porto Alegre aferiu as características dos consumidores do Rio Grande do Sul que desejam quitar seus débitos e, para isso, estiveram nos pontos de atendimento do evento para negociação. Segundo pesquisa realizada a partir da base de dados SCPC, as mulheres têm mais interesse em encerrar o ano com as contas em dia.

Veja as características desse público:

-- Sexo feminino (54%);
-- De 35 a 39 anos (mais de mil pessoas);
-- Classe C2 -- 1 a 2 salários mínimos (55%);
-- Está regular na Receita Federal (99%);
-- Adere a parcelamentos com valor superior ao que consegue pagar (16%);
-- Propensão ao consumo de crédito (51%);
-- Costuma comprar mais no cartão de crédito parcelado do que à vista (71%);
-- Não possui sociedade em empresa (71%);
-- Não é servidora pública (99%);
-- Não é beneficiária de Bolsa Família (96%);
-- Prioridade de pagamento das contas de água e luz;
-- Maiores dívidas são com instituições financeiras.


Matéria: CDN
 

Nenhum comentário