Corona Vírus (COVID-19): conhecimento é a melhor prevenção

Muito se fala sobre o vírus Corona (e sua variante mais recente COVID19), inclusive com alarmismo excessivo e pouco conhecimento. 


O vírus Corona é um vírus muito antigo, que muitos de nós já tivemos contato em algum momento de nossas vidas, sem quaisquer efeitos prolongados. Sabe aquela famosa virose descrita pelos médicos do SUS, onde recomendavam boa alimentação (sopa), repouso, higiene e medicação básica para amenizar o desconforto... Então, pode ter sido inclusive o corona, e eles estavam certos com os cuidados prescritos. E o mesmo se vale para o COVID19, variante mais recente do Vírus Corona.

O COVID19 é um vírus de baixa letalidade (no seu auge apenas 3,4% dos contaminados chegaram ao óbito), e de baixa periculosidade, uma vez que mais de 80% dos que portaram o vírus, se curaram sozinhos, sem maiores problemas, seguindo apenas as tradicionais medidas de conforto e prevenção. Em mais de 90% dos casos em que se adquire o mesmo, não será motivo para uma ida ao hospital ou UPA (Unidade de Pronto Atendimento). Busque o uma Unidade Básica de Saúde (UBS) ou Serviço de Saúde equivalente em seu município para melhores orientações, e adote medidas de cuidado e prevenção, da mesma forma que se faria com um resfriado ou gripe, porém evitando o uso de Ibuprofeno (Advil, Alivium, Buscofem e similares), Cortisona e Tiazolinediona dado as evidências científicas de que eles são medicações inadequadas durante o ciclo de COVID19, uma vez que podem agravar a infecção.

Mas por que tanto alarde?

Apesar de ser um vírus que em termos gerais, é simples e de baixo risco, para alguns grupos em especial, assim como a Gripe e outras infecções do trato respiratório, o COVID19 apresenta grave risco a vida de idosos e pessoas imunossuprimidas (indivíduos que nasceram com uma deficiência imunológica - imunodeficiências primárias/causas genéticas ou adquiridas, que podem ser provocadas por vírus como o HIV, por exemplo -, ou ficaram com o sistema imune abalado após contrair alguma doença sistêmica, ou aqueles que ficam imunossuprimidos durante ou depois de um tratamento médico). Para estes dois grupos, o índice de letalidade sobe vertiginosamente, tal qual ocorre com gripe e outras infecções virais.


A importância da prevenção

COVID19 não é motivo para pânico , mas assim como outras infecções virais, é importante que sejamos vigilantes e medidas básicas de prevenção sejam tomadas, assim como somos orientados quando ocorre um surto de gripe.

Prevenindo a contaminação:
• Evite o contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe (são análogos ao de COVID 19);
• Lave as mãos frequentemente com água e sabão. Se não tiver água e sabão, use álcool em gel;
• Evite tocar a boca, nariz e olhos;
• Limpe e desinfete superfícies que podem estar contaminadas, como mesa e corrimão;
• Mantenha hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, ingestão de líquidos e atividade física;
• Se sentir os sintomas da doença (febre, calafrio, dor de cabeça, tosse, dor de garganta, ou outros sintomas) procure um serviço de saúde como UBS ou posto de saúde (Hospitais ou UPA devem ser considerados em caso de sintomas agudos)
• Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
• Mantenha os ambientes bem ventilados, com portas e janelas abertas.

Se você está com COVID19, tome medidas simples para prevenir a disseminação e transmissão da infecção:
• Não saia de casa enquanto estiver com febre ou outros sintomas (adote a quarentena de 14 dias, conforme protocolo OMS);
• Use máscara de proteção, lembrando de trocá-la periodicamente;
• Evite contato próximo com outras pessoas para evitar transmissão;
• Adote hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos;
• Lave as mãos frequentemente com água e sabão. Se não tiver água e sabão, use álcool em gel;
• Cubra o nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar. Jogue o lenço no lixo e lave as mãos;
• Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
• Evite aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;

Como você pode observar, as medidas já conhecidas para o cuidado ante o vírus da gripe, são as mesmas para o COVID19.


O fim do surto está próximo

Estados afetados no Brasil (dados de 15/03/2020)

Especialistas indicam que o fim do surto está próximo, uma vez que a notificação de novos casos diminui a cada dia, em especial nos países em que o surto se originou.

Segundo infectologistas da Sociedade Brasileira de Infectologia, em 2021 já não teremos relatos sobre contaminação em massa do COVID19.


Matéria: Dimithri Vargas
Imagens: Wikimedia
 

Nenhum comentário